UMA CARTA PARA ABDIAS

Publicado em 25/5/2020 por: Milsoul Santos

Meu bom Senhor, antes de tudo, agô, para me comunicar.

Hoje é dia de celebrar a tua chegada ao Orum.

Enquanto Psicconêgo Fujão, abro meu coração para tentar, respeitosamente, saudar teu precioso nome e louvar teu libertador legado.

Só tua historicidade sabe o que é entrar para a luta antirracista em 1930, num corpo de um garoto de 16 anos de idade.

Só tua vitalidade pode nos contar sobre tua iniciação na política e quais as dificuldades encontradas, contando apenas com a intuição e a ingenuidade em dias de Getúlio Vargas, de Frente Negra Brasileira e de integralismo. Dias que fundaste o jornal Recruta, tua primeira marca no jornalismo.

Só tua autenticidade sabe o que é agitar o Complexo do Carandiru com o Teatro do Sentenciado, entre os anos de 1941 e 1944. 1944, ano que também fundaste o TEN. Um tempo em que não havia televisão. Gosto de imaginar a ousadia transpassando o medo com o Teatro Experimental do Negro, no enfrentamento ao racismo pelas vias da dramaturgia, descambando na Convenção Nacional do Negro em 1945 e 1946 e, em 1950, no 1º Congresso do Negro Brasileiro.

Ah, meu bom Rei!

De orgulho, minha alma e meus ossos tremem!

Estiveste na linha de frente das primeiras propostas de políticas públicas para benefício do povo afrodescendente. Deste os primeiros passos rumo à criminalização da discriminação racial. Só tua bravura sabe o que é saudar Exu e olhar, de cima, nos olhos dos mais asquerosos racistas, na Câmara dos Deputados, como no Senado Federal.

Museu de arte Negra, Cristo Negro... diversos são os teus feitos.

És, para mim, exemplo ímpar de identidade, porque sempre reconheceste teus ancestrais, sempre deste nome a cada parceira e a cada parceiro, passagem por passagem. Esta virtude, ao meu modo de ver, foi tua maior propriedade.

Meu bom Senhor, não vim aqui para relembrar-te dos teus 97 anos na terra, tampouco dos teus 81 anos de luta. Não. Aqui estou em meu nome e em nome de minhas irmãs e de meus irmãos, com minha poesia Exu-métrica, para tão somente presentear-te com duas palavras, que são; reconhecimento e gratidão!

Abdias Nascimento (14/04/1914 – 23/05/2011)

Abdias do Nascimento (Franca, SP, 1914 - Rio de Janeiro, RJ, 2011). Ator, diretor e dramaturgo. Militante da luta contra a discriminação racial e pela valorização da cultura negra. É responsável pela criação do Teatro Experimental do Negro (TEN), que atua no Rio de Janeiro entre 1944 e 1968. Essa é a primeira companhia a promover a inclusão do artista afrodescendente no panorama teatral brasileiro. (Itaú Cultural)

Milsoul Santos