Espaço Social

DESPERDÍCIO DE ALIMENTOS PODE SER MAIS QUE O DOBRO DO ESTIMADO

Publicado em 25/2/2020 por: Wageningen University and Research

Os consumidores provavelmente estão desperdiçando muito mais comida do que se costuma acreditar, de acordo com um estudo publicado em 12 de fevereiro de 2020, na revista de acesso aberto PLOS ONE, por Monika van den Bos Verma e colegas da Universidade e Pesquisa Wageningen, na Holanda. As estimativas amplamente usadas não explicam os efeitos da riqueza no comportamento do consumidor – e consumidores ricos desperdiçam mais comida.

A reportagem é publicada por Wageningen University and Research e reproduzida por EcoDebate, 14-02-2020. A tradução e edição são de Henrique Cortez.

A Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO) estimou que, em 2005, um terço de todos os alimentos disponíveis para consumo humano foram desperdiçados – alimentos adequados ao consumo humano, mas não consumidos. Esse número continua a servir como referência para a extensão do desperdício global de alimentos ao longo da cadeia de suprimento de alimentos. Usando a estimativa da FAO de um terço, a literatura existente calculou um número correspondente em calorias – 24% das calorias foram desperdiçadas e oito dos 24% foram desperdiçados apenas pelos consumidores.

Como a riqueza pode afetar o desperdício de alimentos

No entanto, a metodologia da FAO e, portanto, a estimativa de desperdício de calorias com base nela, não leva em consideração o comportamento do consumidor em relação ao desperdício de alimentos; somente o suprimento de alimentos determina a extensão do desperdício de alimentos. Este estudo é o primeiro a investigar se e como a riqueza do consumidor pode afetar o desperdício de alimentos. Usando um modelo de metabolismo humano e dados da FAO, do Banco Mundial e da Organização Mundial da Saúde, Van den Bos Verma e colegas quantificaram a relação entre desperdício de alimentos e riqueza do consumidor. Usando esse modelo, eles criaram um conjunto de dados internacional que fornece estimativas de desperdícios de alimentos globais e específicos de cada país.

Seus resultados sugerem que o número de oito por cento é muito baixo e os consumidores podem ser responsáveis por até dezenove por cento. Os autores também descobriram que quando a riqueza do consumidor atinge um limite de gastos de aproximadamente US $ 6,70 por pessoa por dia, o desperdício de alimentos começa a aumentar – aumentando rapidamente com o aumento da riqueza no início e, em seguida, a taxas muito mais lentas em níveis mais altos de riqueza. Isso sugere que, mesmo na categoria de renda média-baixa, os países do extremo mais alto do espectro já enfrentam o risco de um rápido aumento no desperdício de alimentos. Portanto, para alcançar baixo desperdício global de alimentos, precisamos reduzir o desperdício de alimentos em países de alta renda e também impedir que ele suba rapidamente nos países que atingem o limiar.

Outros atributos e motivos

Este trabalho baseia-se nos dados do balanço alimentar da FAO, que têm limitações em relação à sua precisão. Além disso, existem muitos outros atributos e motivos do consumidor além da riqueza, que afetam o desperdício de alimentos do consumidor. No entanto, Van den Bos Verma e colegas acreditam que o método por trás de seu trabalho pode ser usado como base para introduzir a elasticidade da riqueza de resíduos como um novo conceito em modelos de consumo empíricos, para entender e avaliar melhor as magnitudes atuais do desperdício de alimentos e para ajudar medir o progresso global na redução do desperdício de alimentos (ODS 12.3).

Wageningen University and Research, EcoDebate