Afrodescendentes Online

Pergunta:
Eu iniciei no orixa em 2013, porém após diversas frustrações perdi a crença no candomble e voltei a alimentar minha fé no cristianismo, (religião católica), essas entidades, seres ou espíritos podem vir a me prejudicar mesmo eu tendo feito o santo e iniciado na religião como yaô? Hoje sou de grupo de oração e frequento assiduamente a igreja católica.



Resposta:
Prezado Adrielio Moreno, /.../ /.../ Em primeiro lugar, preciso pedir 1 mês de desculpas por só estar respondendo agora o que acabou provocando você a reenviar sua questão. /.../ São várias as intervenientes que se mostram em nossas iniciativas que, muitas vezes, nos vemos impedidos de concretizar nossos fazeres. /.../ /.../ Sobre sua colocação: /.../ /.../ Você informa que se "iniciou para Orixá, em 2013" penso que você realizou preceitos / fundamentos em alguma "Casa de Santo", em algum Ilê (de Candomblé)... /.../ /.../ "após diversas frustrações, perdi a crença no Candomblé" nesta parte vale considerar o que você chama de "frustrações" / (1) se em relação às expectativas que levaram você à Iniciação ou (2) se em relação ao que foi informado/ensinado a você e que não correspondeu, depois, à pratica ou (3) se em relação a determinados valores e crenças que você trazia pela educação antes de se Iniciar e que se chocaram com algumas práticas da Casa. /.../ /.../ Como se diz na linguagem popular: "Uma coisa é uma coisa outra coisa é outra coisa." /.../ /.../ Não sei se você conversou com Babalorixá / Yalorixá (ou com alguma autoridade da Casa) sobre seu sentimento... se você teve esclarecimento sobre o que você chama de "frustrações". /.../ /.../ Frustrações em relação a religiões existem desde os tempos imemoriais! Isto porque a meu entender, os "comandantes" das religiões (na maioria histórica formada por homens) são serem humanos falíveis e, muitas das vezes, não se elaboram. Abraçar uma religião é muito mais do que (1) ter medo da morte e sonhar com um céu de tranquilidade (2) ter frio na barriga quando se conscientiza a inexorabilidade da morte (3) sentir tristeza quando um ente querido falece (e vai "não sei pra onde") e querer estar em comunicação com ele (4) ou, após ter compreendido a complexidade e o valor da Natureza, chegar à conclusão que "deve haver Alguém que criou tudo isso" e esse alguém só pode ser um Deus! /.../ /.../ Abraçar uma Religião requer uma elaboração profunda da criatura ser humano. Muitas vezes zeladores, padres, bispos, rabinos, pastores, etc. chegam na Religião com todo o desequilíbrio pessoal que trazem da vida cotidiana e acabam por macular a Religião e o Espírito Religioso. Os exemplos são inúmeros! /.../ /.../ Então você continua: "voltei a alimentar minha fé no cristianismo, (religião católica)" /.../ /.../ Sobre se "essas entidades, seres ou espíritos podem vir a me prejudicar" /.../ Adrielio, JAMAIS as Entidades, os Orixás do Candomblé virão prejudicar você! Da mesma maneira que nenhum Santo da Igreja Católica JAMAIS irá prejudicar qualquer pessoa! /.../ /.../ As Entidades, os Orixás, os Santos assim como as outras denominações em outras Religiões são Seres Supremos constituídos a partir de nossas perguntas sobre "De onde vim? Para onde vou? O que estou fazendo aqui neste planeta? Como devo AGIR neste planeta, durante toda a minha existência e em qualquer fazer a que eu me dedique?" /.../ /.../ O que faz mal ao ser humano é o próprio pensamento de coisas ruins... O que faz mal ao ser humano é ter a cabeça fechada, acreditando em uma "verdade" que coloca a pessoa em situação de conforto e supremacia... O que faz mal ao ser humano é não ouvir, não ser solidário, não ser amigo e se contentar de falar mal de quem quer que seja (tendo algum motivo aparente ou não). /.../ /.../ Quem faz mal ao ser humano, é o próprio ser humano em suas palavras e ações. /.../ /.../ Falando de "espiritualidade" ou de "imunidade" (atualmente por causa da pandemia do Coronavírus) tenho visto a mesma escrita: /.../ /.../ Imunidade é /ou/ Espiritualidade é: /.../ PERDÃO (saber perdoar) LEVEZA (não ser ríspido, não ser desagradável) FLEXIBILIDADE (não querer ser o "dono da verdade", saber ouvir e argumentar com conhecimento, não com "minha vontade") ALTO-ASTRAL (ser simpático, ter boa disposição, não colocar logo um aspecto catastrófico em uma possibilidade, mesmo que pareça ruim à primeira vista) ALEGRIA (atitude festiva, de prazer diante das possibilidades não tomar um fato como normal, sempre agradecer ao que se tem, ao que se conquistou) CRIATIVIDADE (capacidade de criar, de inventar, inovar diante de uma possibilidade especialmente diante da falta) TRABALHO em EQUIPE (disposição para trabalhar Junto, disposição para trocar ideias, disposição para dialogar). /.../ /.../ Se somos capazes de seguir estas Palavras, estes significados (como se fossem "Mandamentos") viveremos em conforto ("espiritual"), harmonia conosco e com o entorno. /.../ /.../ E você anota: "mesmo eu tendo feito o Santo e iniciado na Religião como Yaô?" /.../ /.../ Adrielio, "Fazer o Santo como Yaô" é como um Batismo na Igreja Católica. É uma INTENÇÃO de "servir" uma Entidade Suprema que me conforta sobre "De onde...?" (como anotei acima). É uma intenção de "servir" a Jesus, a Jeová, a Alá, Orixá, Inkique, Vodun. Ou "servir" a uma Verdade que encontro em estudos e reflexões, como é o caso dos Ateus. /.../ /.../ Já se tem falado bastante que "Todos os Caminhos levam a Deus" e "Tudo é Um". Penso que o importante não é "O" caminho e sim como trilhamos o Caminho por exemplo, levando a sério as palavras que anotamos acima. /.../ /.../ Há uma "máxima" oriental que diz: "Onde você estiver, lá você estará." Portanto vale considerar que estejamos inteiros, respeitosos, verdadeiros, dignos onde quer que estejamos. /.../ /.../ Agradeço a oportunidade de conversar com você. Continuo ao dispor, Ana